Posts

13/07 – Palestra: “RH Educador – A evolução da gestão de pessoas” com Tom Coelho

13/07/2016 (quarta-feira)
1º Encontro do Clube de RH em Bragança Paulista/SP
Local: Instituto Mix de Profissões
Av. Antonio Pires Pimentel, 690 – Centro – Bragança Paulista – SP (Acesse o mapa aqui)

Temas abordados:

Apagão da mão de obra, Cenários, Clima organizacional, Comprometimento, Conflito de gerações, Crédito consignado, Cultura organizacional, Desenvolvimento organizacional, Desigualdades sociais, Diversidade, Educação financeira, Equilíbrio vida pessoal e profissional, Geração Y e Z, Gestão de pessoas, Gestão participativa, Governança corporativa, Inclusão, Inspirar pessoas, Meio ambiente, Missão, visão e valores, Motivação, Mudança, Paixão, Prevenção de acidentes, Propósito, Qualidade de vida, Recursos humanos, Remuneração e benefícios, Responsabilidade social, Sustentabilidade, Treinamento e desenvolvimento, Zero acidente

Diante de uma ordem econômica mundial segundo a qual o setor público socorre empresas deficitárias enquanto a iniciativa privada assume as responsabilidades sociais inerentes ao Estado, o RH assume um papel de protagonista no cenário corporativo.

 

Objetivos:

Situar a área de gestão de pessoas dentro de um contexto histórico ao longo dos últimos 50 anos;

Debater a evolução do conceito e das práticas relacionadas ao RH, apontando novos caminhos e tendências relacionadas à gestão de pessoas;

Apresentar um conceito inovador de gestão de pessoas voltado ao desenvolvimento humano sob uma perspectiva holística.

 

Conteúdo referencial:

•A evolução do RH:

  • 1ª Geração: o RH burocrático e o chefe de pessoal
  • 2ª Geração: o RH operacional e as relações industriais
  • 3ª Geração: o RH negociador e os conflitos sindicais
  • 4ª Geração: o RH gerencial e a era dos recursos humanos
  • 5ª Geração: o RH estratégico e a gestão de pessoas
  • 6ª Geração: o RH educador e o desenvolvimento humano

•A atuação do RH na promoção da saúde e da qualidade de vida

•A prevenção de acidentes e a busca do índice zero

•O equilíbrio entre vida pessoal e profissional e a integração da família

•O apagão da mão de obra e a capacitação dos colaboradores

•Os caminhos para o comprometimento e a retenção dos profissionais

•A responsabilidade social, o meio ambiente e a questão da sustentabilidade

•O papel do RH na educação financeira e os riscos do crédito consignado

 

 

TOM COELHO v2Tom Coelho é formado em Publicidade pela ESPM e Economia pela USP, tem especialização em Marketing e em Qualidade de Vida no Trabalho, além de mestrado em Gestão Integrada em Saúde do Trabalho e Meio Ambiente.

É empresário com 25 anos de experiência, diretor do Ciesp e da Fiesp, escritor com 8 livros publicados e artigos reproduzidos em 17 países.

Foi eleito Top5 na categoria palestrante do prêmio Top of Mind de RH 2015 e também para o Hall da Fama do Marketing, pela ABRAMARK (Academia Brasileira de Marketing).

Ministrou mais de 650 palestras sobre gestão de pessoas e negócios para um público presencial superior a 110 mil pessoas.

 

Acesse a programação completa e faça a sua inscrição aqui.

13/07 – Palestra: Clima e Comprometimento, Resultados que Geram Resultados com Senir Fernandez

13/07/2016 (quarta-feira)
1º Encontro do Clube de RH em Bragança Paulista/SP
Local: Instituto Mix de Profissões
Av. Antonio Pires Pimentel, 690 – Centro – Bragança Paulista – SP (Acesse o mapa aqui)

Proposta:

Apresentação de cases de sucesso onde a gestão do clima impactou no resultado, bem como no engajamento e retenção de talentos diferenciados no mercado.

 

Tópicos que serão abordados:

  • Conceito de Clima
  • Percepção, atuação e consequências
  • Clima e Comprometimento
  • Alinhamento, Motivação e Compromisso
  • A gestão do Clima por indicadores de resultados
  • Fatores de sucesso na gestão do Clima

 

Senir Fernandez

Trinta anos de experiência nas várias áreas de Recursos Humanos no Senac, Grupo Bunge & Born, Banco de Boston, Hay Group, Mercer, SARH e CODEX RH.

Formado em Letras pela FFCL-USP e em Comunicação pela ECA-USP, Pós Graduação em Comunicação (Semiologia) pela ECA-USP. Especialização em Administração de Recursos Humanos pela FGV-SP, em Treinamento e Desenvolvimento pela International Labor Organization (OIT), Turin, Itália e em Competências pela McBer-Boston – USA.

Consultor desde 1993, tendo realizado projetos em várias empresas tais como: Embraco, Electrolux, Weg, Banco Mitsubishi, RBS, Copersúcar, McDonalds, Klabin, Aracruz, Bahia Sul, CTBC, Ceval, Gessy Lever, O Globo, Vale do Rio Doce, Jansen Cilag, Tecban, Telefônica, Corn Products, Pão-de-Açúcar, Açominas, Sadia, Grupo Fleury, Procknor Engenharia, Hughes, Lojas Marisa, Takata, Elekeiroz, Bebidas Ipiranga, Cred System etc.

 

Acesse a programação completa e faça a sua inscrição aqui.

 

 

 

 

Talento não compensa comportamento “tóxico” de profissional

Fofocar, culpar os outros e ter uma atitude negativa ou agressiva são algumas das características que mais tornam profissionais “tóxicos” para o ambiente de trabalho, segundo um levantamento. A maioria dos funcionários considera que a presença de colegas assim atrapalha o trabalho — e acha que as empresas não fazem o suficiente para evitar essa situação.

A pesquisa foi realizada pela empresa de desenvolvimento de liderança e treinamento Fierce, e teve a participação de 500 profissionais americanos. Para eles, a atitude que mais contribui para um colega ser considerado prejudicial ao ambiente de trabalho é a negatividade (41%), seguida da passivo-agressividade (32%). Cerca de 10% acham que culpar sempre os outros e fofocar sobre os colegas são comportamentos mais tóxicos, enquanto 6% consideram a preguiça a pior ofensa.

Independentemente da atitude mais condenada, 88% funcionários concordam que o talento ou habilidade especial do profissional não compensam os aspectos negativos de um colega considerado “tóxico” para o ambiente como um todo. Entre os gestores, entretanto, apenas 40% considerariam demitir um funcionário por causa da atitude negativa.

Para a presidente da Fierce, Susan Scott, contudo, a resposta não é excluir os profissionais considerados tóxicos pelos colegas, e sim investigar as razões de esse comportamento aparecer — entre os motivos podem estar a sensação de não ser valorizado pela companhia, falta de reconhecimento ou conflitos interpessoais. A pesquisa apontou, por exemplo, que mais da metade dos profissionais discutem com colegas de trabalho pelo menos uma vez por mês, e muitas vezes esses conflitos acabam não-resolvidos.

“Há um descompasso entre a opinião que funcionários têm de seus colegas e a sua percepção de como a liderança lida com a situação”, diz Susan. Após a empresa identificar as origens dos comportamentos negativos, a recomendação da presidente é apostar em uma comunicação transparente e em uma cultura que reconheça o trabalho realizado por todos os funcionários.

Essa notícia foi publicada no site do Valor Econômico, em 31/07/2015

Ambiente de trabalho agradável é sinônimo de melhoria na produção

O que faz com que você queira trabalhar em uma determinada empresa? São os benefícios? Ou talvez o ambiente de trabalho? Segundo estudos feitos pela empresa de pesquisa Universum, o que mais atrai os funcionários não é o lado de fora de uma empresa – nome e reputação -, mas sim aquilo que acontece dentro dela. A pesquisa relatou também que as pessoas procuram locais criativos, descontraídos e dinâmicos.

Mas como é possível oferecer um ambiente agradável para trabalhar, sem diminuir a produtividade? Rafael Cichini, da Just Digital, empresa de tecnologia, conta que um dos principais critérios que a companhia traçou para alcançar o sucesso foi proporcionar vida social aos funcionários. “As pessoas trazem coisas para contribuir com a melhoria dos processos e, com isso, a empresa ganha muito já que todos pensam no negócio e na qualidade do ambiente de trabalho.”

Cichini conta que implementaram algumas ações nada convencionais na empresa para torná-la um ambiente melhor. Um exemplo é o “Feedback Canvas”, que elimina as avaliações formais na empresa. As pessoas são avaliadas quando querem e por quem elas querem. Para isso, basta pedir uma sessão de avaliação. “O funcionário sai com uma ótima visão sobre como é visto pela empresa, quais pontos não estão legais e quais as possíveis ações.”

Ações simples também ajudam o funcionário a se sentir mais confortável e, por consequência, produzir mais e entregar um produto final melhor. Já pensou em ter acesso a comidas como cereal, biscoito, leite, granola, durante todo o dia na empresa? Ou jogar videogame, fazer aula de ginástica? A Cadastra, companhia de marketing digital, acredita que estas pequenas medidas ajudam o funcionário a se sentir em casa. “Quanto melhor eles se sentem dentro da empresa, mais eles produzem”, conta Nicole Lunardi, coordenadora de RH da Cadastra.

Uma das propostas da empresa é o “Beer O’Clock”, happy hour toda sexta-feira às 17h para integrar e descontrair o ambiente. Além desta, os funcionários participam de especiais de dia das mulheres, dia do trabalho, dia da pizza, campanha de doações e cursos de inglês.

As mudanças vêm com o tempo. “As pessoas passaram a se comunicar mais e o conhecimento da empresa passou a ser melhor compartilhado”, conta Cichini. “A produtividade aumentou, mas não por termos acelerado a velocidade do desenvolvimento. Entregamos o que o cliente realmente espera e fazemos isso com qualidade”.

 

Essa notícia foi publicada no site Forbes Brasil, em 23/10/2014

Fonte: http://www.lg.com.br/huma/mercado/ambiente-de-trabalho-agradavel-e-sinonimo-de-melhoria-na-producao